Fotografía, Música

Aguas de Marzo

Esta canción siempre me gustó, pero desde que la oí en la radio el primer día de primavera no puedo dejar de escucharla en mi cabeza. Y es que si algo no nos ha faltado este año son las aguas de Marzo, la lluvia no nos ha dado tregua en todo el mes. A pesar de eso, ya es primavera, está claro. Hay flores. Todo está exuberantemente verde. Llueve y sale el sol al mismo tiempo. Supongo que los animales también se han dado cuenta y parecen felices pastando al aire libre y atentos a esta loca que para su coche cada dos por tres para fotografiarlos. Y ya lo sé, la canción no es una oda a la primavera, sino al final del verano, cosas de la latitud, pero yo la veo de lo más apropiada. Eso de a promessa de vida no teu coração siempre me ha sonado a primavera. Podéis escucharla aquí, mientras veis las fotos y leéis su letra al fondo de la entrada.

20130323 (089)

20130323 (025)

20130323 (018)-2

20130323 (067)

20130324 (003)

20130323 (092)-2

20130323 mosaico2

20130323 (075)

20130324 (007)

20130323 (113)

20130324 (008)

20130323 (045)

20130323 (107)

 

Aguas de Marzo

É pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho
É um caco de vidro, é a vida, é o sol
É a noite, é a morte, é um laço, é o anzol
É peroba do campo, é o nó da madeira
Caingá, candeia, é o Matita Pereira.

É madeira de vento, tombo da ribanceira
É o mistério profundo, é o queira ou não queira
É o vento ventando, é o fim da ladeira
É a viga, é o vão, festa da cumeeira
É a chuva chovendo, é conversa ribeira
Das águas de março, é o fim da canseira
É o pé, é o chão, é a marcha estradeira
Passarinho na mão, pedra de atiradeira.

É uma ave no céu, é uma ave no chão
É um regato, é uma fonte, é um pedaço de pão
É o fundo do poço, é o fim do caminho
No rosto o desgosto, é um pouco sozinho.

É um estrepe, é um prego, é uma conta, é um conto
É uma ponta, é um ponto, é um pingo pingando
É um peixe, é um gesto, é uma prata brilhando
É a luz da manhã, é o tijolo chegando
É a lenha, é o dia, é o fim da picada.
É a garrafa de cana, o estilhaço na estrada
É o projeto da casa, é o corpo na cama
É o carro enguiçado, é a lama, é a lama.

É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã
É um resto de mato, na luz da manhã
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração.

É uma cobra, é um pau, é João, é José
É um espinho na mão, é um corte no pé
É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã
É um belo horizonte, é uma febre terçã
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração

Anuncios
Estándar
Fotografía

La Galería

Os presento un local lleno de rincones originales y únicos, una música excelente y un ambiente muy agradable. Sus paredes se llenan de arte con cada nueva exposición que organizan. Si estás en Vigo, plantéate pasarte por La Galería, no te dejará indiferente.

20130223 (012)

20130223 (027)

20130223 (014)

20130223 (046)

20130223 mosaico

20130216 (155)

20130223 (056)

20130216 (158)

20130223 (041)

20130216 (144)

20130223 (060)

 

Edito: si alguien quiere conocer mejor este sitio, puede ir aquí.

Estándar
Fotografía, Reflexiones

45 días

45 días son los que han pasado entre las dos primeras fotografías y las que les siguen. 45 días tardé en pasar de nuevo al lado de esta tela de gallinero y comprobar qué había sido de la insignificante larva capaz de construir semejante obra de ingeniería, resistente al agua, al frío y al calor del sol. 45 días durante los cuales, en algún momento, sin que nadie fuese consciente, se obró el milagro, y esa insignificante larva se transformó en un ser capaz de alzar el vuelo hacia una nueva vida.

20130117 (185)-3

20130117 (176)-2

20130303 (002)-2

20130303 (006)

20130303 (026)

20130303 (016)

20130303 (029)

Estándar